segunda-feira, 27 de julho de 2015

Ir à praia no Oeste...

Ir à praia no Oeste não é simplesmente "ir à praia", ir à praia no Oeste é toda uma experiência e envolve todo um ritual. Só quem nunca passou férias no Oeste não sabe do que falo!

Ir à praia no Oeste é sempre um incógnita! Esqueçam os sites de meteorologia e coisas que tais, o tempo ali é imprevisível, tanto pode estar magnífico como a chover. Aliás tanto pode estar a chover de manhã como um calor assombroso de tarde. Esse é o primeiro dado adquirido do Oeste: o tempo é imprevisível ou como nós gostamos de dizer é sempre uma surpresa, portanto monotonia é coisa que não há!
Ir à praia no Oeste é ter sempre um camisolão ou um kispo à mão de semear (adoro esta expressão!), é saber que o vento é uma constante e que um dia abaixo do 50km/h de vento é um excelente dia de praia. O Oeste não existe sem vento, é uma constante, toda a gente sabe que é assim e já ninguém se espanta. Fazer praia no Oeste é andar sempre a correr atrás dos panamás das crianças, das revistas que ficaram na toalha e por vezes até das próprias toalhas!

Ir à praia no Oeste é ter barraca, que isso de chapéu de sol é para os imigrantes! É ter barraca daquelas às riscas em pano já coçado e com um toldo suportado por dois paus robustos que temos de estar sempre a enterrar melhor. Ir à praia no Oeste é ficar ao abrigo das barracas.
Só quem nunca foi à praia no Oeste é que não sabe o que é aquela sensação de mergulhar e a água estar tão fria mas tão fria que até congela os ossos da cabeça e do resto do corpo. É dar um mergulho e sair de lá com o cérebro congelado. É ficar tanto tempo exposto aquela temperatura que ficamos roxos passados 10min.

Ir à praia no Oeste é saber que não existe homem das bolas de Berlim, existe a senhora do pão que traz pão caseiro e pão com chouriço à saída da praia.

Ir à praia no Oeste é saber que existe sempre uma tasca a servir caracóis, mexilhões, navalheiras e percebes.

Ir à praia no Oeste é estar sempre com as Berlengas no horizonte.

Ir à praia no Oeste é espectacular.


10 comentários:

  1. O Oeste começa logo na Praia da Ursa (A Aroeira não conta porque quase não tem areia) e acaba na Torreira. Daí para cima já não é praia, são areais banhados por água glaciar. E só por causa da temperatura da água, os nadadores salvadores deviam ganhar o dobro ;-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aroeira é para meninos, Torreira é para pinguins!

      Eliminar
  2. Pipocante Irrelevante Delirante27 de julho de 2015 às 11:20

    "traz" pão caseiro...

    A água não é fria, os pixotes que se banham no Al-Garve é que são uns mariconços.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem mais! Ir à praia no Oeste é só para resistentes, o resto são meninos!

      (Obrigado, já está corrigido!)

      Eliminar
  3. Sim, trás, a mulher do pão aparece por deTRÁS das pessoas, uma chatice.

    ResponderEliminar
  4. Aqui no norte aprendi a apreciar a água fria do mar. Todas as restantes dores desaparecem no momento em que mergulhamos. Se a ondulação estiver agradável consigo ficar quase uma hora naquilo: pairar, mergulhar nas enormes ondas, nadar, voltar a pairar, sozinho na água, alegres gritinhos das crianças bem afastadas da rebentação, a paciência necessária para sair não quando queremos mas quando podemos, a tolerância de um fantástico nadador vigilante que facilmente poderia impedir esta diversão...

    Mas, barracas não. Há gente que faz coisas estranhas nas barracas, pelo que oiço dizer...

    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. " a paciência necessária para sair não quando queremos mas quando podemos" é mesmo isto! Aprende-se a ler o mar muito bem e a lidar com ele! O mar é uma coisa que mete muito respeito e aqui pela minha praia não há semana em que o nadado salvador (ou banheiro para os mais antigos e característicos!) não tenha de molhar os calções!

      Eliminar